(21) 96464-8597 laado@laado.com.br

 

 

Você pode se perguntar quanto dinheiro precisa juntar para viver de renda passiva, sem depender de um emprego? A resposta depende de diversas variáveis!

 

A renda passiva pode se traduzir em sucesso ao longo da vida. Mas qualquer coisa para se tornar “passiva” primeiro precisa empregar energia ativa. 

 

A melhor época para se esforçar é quando você é jovem e repleto de energias, mas nada impede também que inicie seus investimentos para a aposentadoria mais tarde. 

 

No entanto, graças ao poder da composição, quanto mais cedo você começar, mais fácil será atingir o valor que precisa juntar para viver de renda.

 

Para saber como conseguir isso, preparamos o artigo abaixo com algumas informações bastante úteis para que possa iniciar seu planejamento em busca da liberdade financeira. Confira!

 

O que é renda passiva?

Quando ganhamos dinheiro por meio de um trabalho assalariado, isso é conhecido como ‘renda ativa’. Por outro lado, ‘renda passiva’ é uma forma de ganhar dinheiro sem ter que trabalhar para isso todos os dias.

 

A maioria dos fluxos de renda passiva exige algum trabalho ou investimento inicial, mas se você for bem-sucedido, poderá continuar ganhando uma quantia ilimitada de dinheiro ao longo do tempo.

 

Renda de aluguel, ações e investimentos são alguns dos fluxos de renda passiva mais populares.

 

Ganhar renda passiva é atraente, pois parece menos trabalhoso e a oportunidade de ganho é ilimitada. No entanto, é provável que demore um pouco para ganhar dinheiro suficiente para viver e o mercado está cada vez mais competitivo.

 

Leia também::: Controle de Gastos: o que é e como fazer com eficiência?

Entenda os juros compostos

Os juros compostos são talvez o conceito financeiro mais importante que existe quando se fala em viver de renda. 

 

Para alguns, os juros compostos são a razão pela qual eles não precisam se preocupar se têm dinheiro suficiente. Para outros, é a razão pela qual eles dificilmente vão sair da dívida.

 

A maneira mais simples de entender os juros compostos é pensar em uma bola de neve. Se você rolar uma bola de neve do tamanho de uma bola de futebol pelo chão, ela vai começar a crescer.

 

Uma vez que a bola de neve é ​​maior, ela tem uma área de superfície maior para pegar mais neve. Pode ter levado de 2 a 3 minutos para a bola de neve do tamanho da bola de basquete dobrar de tamanho, mas o próximo ciclo de duplicação levará menos tempo. 

 

Isso é conhecido como efeito bola de neve e ajuda a explicar como funcionam os juros compostos.

 

Por exemplo, quando você começa a ganhar juros compostos, os retornos parecem relativamente insignificantes no início. No entanto, à medida que você continua a permitir que seu dinheiro cresça, o efeito de composição se torna cada vez maior e a taxa de crescimento acelera.

 

Como ganhar dinheiro com juros compostos

Uma ilustração simples é um investimento que fornece um retorno de juros de 10% ao ano. Assim, por exemplo, economizar R$ 1.000 como um começo lhe dá R$ 1.100 no final do primeiro ano, R$ 1.210 no final do segundo ano e assim por diante. 

 

Ao final de 10 anos, você basicamente teria R$ 2.593 em seu investimento, tendo investido apenas R$ 1.000 no primeiro ano, sem outras contribuições adicionais.

 

Mas é preciso compreender que, se você fizer mais aplicações ano a ano, este valor crescerá exponencialmente, até atingir seu objetivo de viver apenas de renda.

 

E para conseguir isso, outro fator precisa entrar em jogo, chamado TEMPO!

 

O tempo no processo de viver de renda

Agora que você conhece a importância dos juros compostos para conseguir os valores necessários para viver de renda, é importante saber também como o tempo influencia no processo.

 

Afinal, se você for ampliando mês a mês os valores investidos, conseguirá mais rapidamente atingir seus objetivos financeiros.

 

Neste aspecto, entra a importância do planejamento financeiro. É com ele que você vai organizar suas finanças e determinar quanto investirá para sua aposentadoria, que pode ser daqui a 5 anos, ou daqui a 35 anos.

 

Quanto menor for o tempo, será necessário investir mais por mês, já que precisará acumular mais capital para poder usufruir dos juros compostos. Em contrapartida, se tiver um tempo maior para construir seu montante, os investimentos mensais poderão ser menores.

 

Ou seja, o tempo tem papel preponderante no processo de criação de uma renda passiva, que crescerá de acordo com a taxa de juros compostos da sua aplicação financeira.

 

Quanto será preciso juntar?

A resposta para esta pergunta depende de alguns fatores. Por exemplo, qual seu custo de vida atual? Quanto consegue poupar mensalmente? Qual a rentabilidade dos seus investimentos? E quanto deseja ter de renda no futuro.

 

É preciso considerar ainda que você precisa ter uma reserva de emergência, que será usada caso surja algum imprevisto no meio do caminho. 

 

Por exemplo, se você começasse a economizar R$ 10.000 por ano, por 20 anos a uma taxa de juros de 8% de retorno, você seria capaz de atingir R$ 457.436,60 ao final do período. 

 

Para facilitar o cálculo, você pode dividir os R$ 10.000 por ano em meses para que seja mais fácil avaliar quanto economizar mensalmente, por exemplo, R$ 833 por mês.

 

Ou seja, se economizar R$ 833 por mês e aplicar em um investimento que renda 8% de juros ao ano, ao final de 20 anos, teria pouco mais de R$ 450 mil. 

 

Se o seu custo de vida atual é de R$ 5 mil, este valor seria suficiente para lhe manter por pouco mais de 90 meses – ou sete anos e meio. 

 

É claro que este período pode ser maior — ou menor — considerando quais serão os custos necessários para sua subsistência no futuro. 

 

Mas ainda será necessário considerar a inflação ao longo dos 20 anos, algo muito negligenciado pelas pessoas. De fato, daqui a 20 anos, os R$ 5 mil de hoje terão um poder de compra menor.

 

É por isso que o ideal é procurar aumentar sua capacidade de economia mensal agora. Sempre que tiver um aumento, aumente seus investimentos mensais e, anualmente, corrija o valor que você investe pela inflação acumulada no ano anterior. Assim poderá construir uma fonte de renda passiva maior no futuro. 

 

Leia também::: Educação financeira: o degrau final até seu sonho 

Não perca mais tempo

Como pode perceber, saber quanto é preciso juntar para viver de renda no futuro dependerá de algumas variáveis que nem sempre é possível calcular – como a inflação dos próximos anos, por exemplo.

 

O fato é que a economia deve iniciar o quanto antes. Entenda que é importante perceber que o dinheiro deve ser usado para comprar tempo, liberdade e oportunidade, não apenas bens materiais.

 

Por isso, ter um planejamento financeiro hoje, deixar de gastar uma pequena parte da sua renda com coisas supérfluas e aplicar este valor pensando no seu futuro pode lhe dar uma grande liberdade quando chegar o momento de se aposentar.

 

E se deseja saber mais sobre como viver de renda e ter um bom planejamento financeiro, siga nosso canal do Youtube. Lá compartilhamos muitas dicas e informações semanalmente!

%d blogueiros gostam disto: