(21) 96464-8597 laado@laado.com.br

“Eu não sou bom para isso”, ou “eu não sou capaz de fazer aquilo”. As crenças limitantes são uma grande barreira em nossas vidas e afetam até mesmo nossa relação com o dinheiro.

 

Pensar negativamente sobre o que somos, o que valemos ou o que podemos fazer, é normal. Todos já fizemos isso em algum momento. 

 

As crenças fazem parte de nossas vidas e podem ser pessoais, sociais ou culturais. As crenças nos dizem sobre a percepção que temos de nós mesmos e do nosso ambiente. 

 

De alguma forma, trata-se de como nos vemos, que visão temos da vida e que lugar ocupamos nela.

 

Mas como elas se formam? E de que forma elas podem prejudicar a sua relação com o dinheiro? Para encontrar tais respostas, confira o artigo que preparamos logo abaixo!

 

Como surgem as crenças limitantes?

Uma crença é uma ideia através da qual filtramos a realidade. Essas ideias podem ser positivas, neutras ou limitantes.

 

E é justamente esse último tipo que pode afetar mais profundamente a forma como você se relaciona com os outros e consigo mesmo.

 

As crenças limitantes são uma forma de ver o mundo e a realidade que impede a pessoa de avançar em direção aos seus objetivos e crescer como indivíduo.

 

É uma ideia que, apesar de não se basear na realidade, é válida para quem a pensa, e configura a forma como se relaciona com o mundo.

 

Essas crenças podem variar de muito complexas até coisas simples: “Não vou a uma festa porque não vou me divertir”; “Não quero tentar consertar um problema porque sempre quebro as coisas e tudo dá errado”; “Não posso confiar em ninguém porque todo mundo é egoísta e tenta me enganar” etc.

 

As crenças limitantes são adquiridas desde a infância, ou mais tarde, por meio das opiniões de pessoas, de autoridade ou experiências, e nos torna predisposto a perder oportunidades ou não tomar medidas para resolver problemas.

 

Eles estão relacionados ao medo e determinam muitas áreas de nossas vidas: desde o trabalho ou os estudos (“o que vou tentar se for muito difícil e tenho certeza que vou falhar”), nossas relações familiares (“não sei se posso me casar com determinada pessoa”) e o dinheiro (“dinheiro só traz problemas”, “se eu ter mais, haverá alguém que terá menos”), entre outras.

 

Apesar de essas crenças poderem limitar completamente a sua vida, é difícil perceber que as temos para tentar mudá-las.

 

Leia também::: Quanto é preciso juntar para viver de renda?

 

Como as crenças prejudicam a relação com o dinheiro?

Crenças limitantes geralmente são dadas como resultado de uma educação financeira ruim. Pensar que “o dinheiro é a raiz de todo mal” ou “o dinheiro não é importante” são simplesmente crenças limitantes.

 

Ou seja, nossas posições ou opiniões que aceitamos como verdadeiras quase automaticamente, sem questionar sua validade. Elas determinam nossas ações, emoções e pensamentos.

 

Essas crenças geraram uma mentalidade de escassez, que limita a obtenção e manutenção de dinheiro em nossas vidas. Se você continuar com a “tradição”, passará essas mesmas ideias negativas sobre dinheiro para seus filhos.

 

Nesse sentido, economizar é uma atitude diante da vida com um grande benefício psicológico: nos permitirá viver com mais tranquilidade e segurança. 

 

Por isso, é importante criar o hábito de economizar. Um hábito implica decisão e repetição, então para economizar você deve querer incorporá-lo em sua vida. 

 

O valor com o qual você começa não é tão importante, mas mantê-lo ao longo do tempo com base em uma boa educação financeira sim!

 

Além disso, não espere a renda aumentar para começar a poupar e deixe de lado as desculpas do tipo “vou poupar quando ganhar mais dinheiro”, “o Estado vai cuidar de mim e eu vou receber uma aposentadoria”, “Eu não tenho nada sobrando no final do mês”…

 

Estas desculpas também se encaixam como crenças limitantes e que podem prejudicar seriamente seus projetos futuros.

 

Seu relacionamento com o dinheiro afeta os gastos

Se você tem um relacionamento negativo com o dinheiro, provavelmente o verá como algo frívolo ou sem importância. Nesse sentido, é mais fácil gastar dinheiro em coisas que não importam, só porque você pode.

 

Ter um relacionamento ruim com o dinheiro pode levar a gastos imprudentes e nunca saber exatamente para onde vai seu dinheiro. 

 

Entender que o dinheiro é necessário e até mesmo capacitar pode mudar completamente a forma como você gasta dinheiro.

 

Você pode começar a ver o dinheiro como uma ferramenta para a liberdade, em vez de algo que o controla! Para isso:

 

  • Respeite o dinheiro
  • Reconheça seus pontos problemáticos em torno do dinheiro – avalie porque você se sente assim
  • Veja o dinheiro como uma ferramenta para alcançar seus objetivos
  • Saiba que a riqueza pode ajudá-lo a retribuir aos outros
  • Perceba que alcançar seus objetivos de dinheiro é empoderador
  • Entenda que querer mais dinheiro e aumentar a riqueza não o torna ruim ou ganancioso

 

Comece a mudar seu relacionamento com o dinheiro e você aumentará sua riqueza, melhorará seus hábitos de consumo e obterá controle de suas finanças gerais.

 

Leia também::: Educação financeira: o degrau final até seu sonho 

 

A educação financeira como caminho

E a melhor forma de melhorar sua relação com o dinheiro e com isso superar suas crenças limitantes, é por meio da educação financeira. É ela que vai te fornecer todas as informações necessárias para que faça boas escolhas e com isso consiga prosperar.

 

Aliás, com educação financeira você terá melhor relação com ele, saberá economizar, investir e com isso alcançar um futuro mais tranquilo.

 

Aqui na Laado nos preocupamos muito com a educação financeira,e foi isso que nos motivou a produzir muito conteúdo sobre o tema, visando ajudar mais e mais pessoas a ter uma relação melhor com o dinheiro.

 

Inclusive, lhe convidamos a acessar e se inscrever em nosso canal do Youtube. Lá temos muito conteúdo para você melhorar sua relação com o dinheiro e com isso ter maior segurança!

 

%d blogueiros gostam disto: