(21) 96464-8597 laado@laado.com.br

Em 2020 o mundo foi tomado por uma das maiores pandemias que se tem notícias. O Covid-19 mudou praticamente tudo em nossas vidas, e também surgiu a dúvida sobre como investir e o que fazer tendo o coronavírus como pano de fundo. Afinal de contas, diante disso tudo, onde vale a pena aplicar nosso dinheiro?

Em um mundo de incertezas, onde não sabemos como algumas medidas podem afetar a economia, a busca por um planejamento financeiro mais seguro é sempre a melhor opção. A crise mostrou que as pessoas que adotam essa filosofia de vida e se planejam, estão passando por tudo isso com mais tranquilidade financeira.

Na prática, isso significa adotar um estilo de vida que esteja alinhado com seus objetivos pessoais, ter as proteções financeiras adequadas e, claro, os investimentos. Mas quais são eles? 

Para responder essas, entre outras dúvidas, preparamos o artigo abaixo sobre coronavírus e investimentos. Vamos conferir?

Como você está hoje?

Antes de falarmos sobre onde investir na pandemia, é necessário compreender sua situação atual. Infelizmente a crise do Covid-19 trouxe inúmeras consequências econômicas e diversos empreendimentos tiveram que reduzir sua área de atuação. Em alguns casos, fechar suas portas.

Porém, se você conseguiu ao menos manter a estabilidade ao longo de 2020 e vê que em 2021 seguirá no mesmo ritmo, sinta-se um privilegiado. Há alguns setores ainda que experimentaram crescimento — fruto da aceleração da digitalização de muitos negócios que já caminhavam nesta direção e acabaram acelerando.

Entender como você está hoje é vital para compreender seus objetivos com os investimentos. Caso já tenha uma boa reserva financeira, seu horizonte de investimentos pode ser mais longo e isso abre algum leque de possibilidades. Caso contrário, se ainda não tem uma reserva de segurança formada, as alternativas com liquidez diária surgem como investimentos mais indicados.

Ou seja, quando falamos sobre quais investimentos fazer diante da crise do coronavírus, é importante que o seu contexto seja considerado para tomar qualquer decisão de forma mais consciente. Mas para te orientar diante desses horizontes diferentes nesse mar de possibilidades, vamos mergulhar um pouco em cada um deles.

Quais investimentos fazer para o longo prazo?

O horizonte de longo prazo é mais distante do que a nossa vista alcança. Isso torna a incerteza um dado real da equação. Nunca alguém conseguirá prever tudo o que pode acontecer no futuro, especialmente quando se trata de um futuro distante. Nem os maiores investidores profissionais vão acertar todas. Mas quem tem mais experiência, maturidade emocional e conhecimento técnico, consegue lidar melhor. 

Não é segredo para ninguém: o coronavírus impactou a economia global e novas ondas de contaminação — com novas variantes — seguem se alastrando pelo mundo. Quem poderia ter certeza disso antes?  

Porém, toda incerteza e crise sempre trazem desafios e oportunidades. Justamente porque riscos maiores caminham junto com um potencial de retorno maior. E isso beneficia os investimentos de longo prazo. Portanto, o tempo é o maior aliado nisso, pois ajuda a compensar eventuais perdas que ocorram no curto prazo.

Investimentos em renda variável

É por isso que investimentos em renda variável são interessantes para o longo prazo. Seja por meio de ações, ou por meio de fundos como os de previdência privada, os fundos de investimentos, fundos imobiliários (FIIs) e os fundos de índices (ETFs). 

Por exemplo, muitas  empresas têm desvalorizado, com quedas nas bolsas e ações mais baratas. Isso é o que o mercado financeiro chama de volatilidade. Ou seja, quanto que o valor de uma empresa sobe e desce em um intervalo curto de tempo. Nesse ponto, surgem os investidores mais confiantes, e que investem justamente na compra dessas ações em queda, e que tendem a valorizar no longo prazo.

Vale lembrar sempre que não há investimento 100% seguro, e mesmo os investidores profissionais também erram. Portanto, investimentos em renda variável exigem um conhecimento maior e precisa estar alinhado com seu perfil de investidor. Mas para quem ainda não se sente totalmente confortável em investir por conta própria, os fundos podem ser uma alternativa interessante para acumular e rentabilizar seu dinheiro para o longo prazo.

No entanto, se ainda se sente inseguro para começar, não tenha pressa. Comece com investimentos mais seguros e simples, enquanto estuda um pouco mais. Vamos mostrar algumas alternativas a seguir.

Investimentos mais seguros para o curto prazo

Investimentos para o curto prazo podem ter muitos objetivos diferentes além da reserva de segurança. Toda vez que você quer juntar algum dinheiro para comprar alguma coisa específica, para viajar assim que a pandemia acabar, ou para reformar a casa daqui a algum tempo que você não sabe quando, por exemplo, tenha em mente sempre os investimentos de renda fixa.

É claro que essas modalidades de investimentos terão rentabilidades bem menores se comparado com outros investimentos. Mas lembre-se que a rentabilidade está diretamente ligada ao risco. Investimentos menos arriscados, como os de renda fixa, raramente vão superar a renda variável no longo prazo.

Porém, o objetivo do curto prazo é preservar o dinheiro. E não rentabilizar o dinheiro. E se você está começando esse também é um caminho natural. Assim pode se familiarizar com os produtos de investimentos, os termos mais técnicos e, principalmente, criar o hábito de investir.

Onde investir?

Em linhas gerais, os investimentos de renda fixa são modalidades de empréstimos. Ou seja, ao investir em um título de renda fixa você empresta seu dinheiro para uma instituição que vai emitir um título para você se comprometendo a te pagar uma rentabilidade X, na data Y. 

Nesse aspecto, surgem soluções como:

  • Tesouro Direto – você empresta dinheiro para o Governo. Existem diversos títulos diferentes com rentabilidades, prazos e características distintas.
  • CDB (Certificado de Depósito Bancário) – você empresta dinheiro para uma instituição bancária.
  • LCI (Letras de Crédito Imobiliário) e LCA (Letras de Crédito Agrário) – são basicamente iguais, mas na primeira você empresta dinheiro para uma empresa do mercado imobiliário e a outra do setor agrícola. 

Nem vamos entrar muito no mérito da poupança. Apesar de ser uma das modalidades ainda preferidas dos brasileiros, ela não conta com boa rentabilidade, ainda mais diante de um cenário de inflação mais elevada. 

Mas se você prefere aquela sensação de ter o dinheiro “disponível na conta” prefira bancos digitais que tenham conta remunerada. Essas contas normalmente são rentabilizadas com títulos do Tesouro Nacional. Então é seguro como o Tesouro Direto, mas rende mais do que a caderneta de poupança.

Além disso, entre as vantagens desse investimento em renda fixa é que se não há pressa no retorno, às alíquotas de imposto de renda tem uma redução proporcional ao tempo que o dinheiro fica aplicado. 

Leia também::: Quais os investimentos mais seguros e adequados para iniciantes?

Sempre comece pela reserva de emergência

Mas, antes de iniciar qualquer investimento, não esqueça da sua reserva de emergência. Afinal de contas, se já não bastassem os problemas causados pelo coronavírus, nunca sabemos quais imprevistos podem surgir no nosso dia-a-dia.

A reserva de emergência serve para te dar liberdade e segurança para muitas outras decisões que precisar tomar ao longo da vida. Isso significa, por exemplo, que você pode sair do emprego se desejar mudar de vida. Te dá um respiro se tiver algum problema com seu negócio. Também te ajuda se tiver um problema no carro, um reparo de emergência em casa, um problema de saúde com alguém da família, uma pandemia. 

Ter essa reserva é essencial para não entrar em um ciclo de dívidas em momentos imprevistos como o que passamos agora. Nesse sentido, novamente opte por investimentos de renda fixa que falamos acima, mas que tenham liquidez imediata, ou seja, que permitam o saque diário a qualquer momento.

Mas atenção também porque existem títulos de renda fixa de longo prazo. Eles têm rentabilidades maiores que os de liquidez diária, mas seu dinheiro pode ficar “preso” até determinada data. Dessa forma, não seria possível usá-los para reserva de emergência porque não poderia sacá-lo caso qualquer imprevisto aconteça.

Investir para projetos de longo prazo sem ter uma reserva de segurança é pular etapas e isso pode te colocar em uma situação de risco financeiro de forma desnecessária. 

Leia também::: Educação financeira: ganhar mais dinheiro é a chave para ficar rico de verdade?

Se cuide, e fique bem!

Como foi possível acompanhar, saber onde investir na pandemia não é uma tarefa tão simples. Alguns fatores precisam ser considerados, e é necessário estar atento às movimentações do mercado. Além disso, invista sempre naquilo que você conhece e estudou.

Lembre-se também, que junto com seus investimentos, tenha proteções financeiras adequadas. Enquanto você não tem dinheiro investido suficiente para viver da rentabilidade dele, os seguros de vida são seu plano de emergência para situações difíceis e inesperadas que fazem parte da vida. 

Mas com um planejamento financeiro mais seguro, bem organizado, seguir esse caminho fica mais simples e fácil. Nesse sentido, compartilhamos diversas dicas e informações sobre investimentos em nosso canal no Youtube.
Nele, você fica por dentro desse mercado financeiro, tem dicas sobre dinheiro e planejamento financeiro, e aprende a fazer seu dinheiro render mais. Acesse, nos siga, e não esqueça de ativar o sininho para sempre receber as notificações de novos materiais.

%d blogueiros gostam disto: