(21) 96464-8597 laado@laado.com.br

Investir não é garantia de um futuro financeiro tranquilo. Na verdade, não existem garantias na vida, muito menos quando o assunto é investimentos. Apesar disso, proteger seu dinheiro para os três principais riscos da vida te ajuda a reduzir o impacto financeiro de cada um deles. 

Ter um planejamento financeiro mais seguro é mais do que saber sobre os diferentes tipos de aplicações financeiras. Investir todo o dinheiro para construir seu patrimônio e enriquecer sem se proteger, pode colocar tudo a perder a qualquer momento.

Quando se fala em previdência, por exemplo, as pessoas só pensam na aposentadoria financeira. Mas é muito mais que isso. Ser uma pessoa previdente é ser prevenido. Ou seja, é se antecipar às incertezas que fazem parte da vida. 

Existem basicamente três riscos financeiros que impactam a vida de todos nós, de alguma forma. Neste post, vamos conversar um pouco sobre cada um deles para que possa analisá-los para elaborar seu planejamento financeiro de forma mais segura e simples.

Neste vídeo também falamos sobre como se proteger para esses riscos.

Risco 1) Viver muito e não ter dinheiro 

A realidade é que vamos viver muito. Isso significa que, para continuar tendo qualidade de vida no futuro, será preciso juntar dinheiro, patrimônio. É impossível prever como será a vida daqui a 10, 20, 30, 40 anos. Mas ninguém tem dúvidas de que, sem dinheiro, estaremos perdidos. 

Lembram da clássica fábula de Esopo, “A Cigarra e a Formiga”? A lógica segue a mesma. Precisamos juntar dinheiro ao longo da vida, para termos como viver quando o futuro chegar. A expectativa de vida no país é, em média, de 79,9 anos para os homens e 80,1 anos para mulheres. Em 2018, segundo dados do IBGE, a população brasileira com mais de 60 anos já representava 13%, o equivalente a 28 milhões de pessoas. E a tendência é aumentar.

Como se preparar financeiramente para viver muito?

Sem dúvida, esse é o risco financeiro mais legal. Quem não quer viver muito e curtir a vida? Ter saúde financeira ao longo da vida toda significa construir um patrimônio diversificado para que, no futuro, gere uma renda para poder se aposentar financeiramente quando quiser ou precisar.

Como esse é um objetivo de longo prazo, requer disciplina e constância para investir sempre uma parte da sua renda. Quanto mais cedo começar, menor o esforço necessário. Hoje, estudos cruzando estatísticas do IBGE indicam que apenas 1% das pessoas consegue viver com os rendimentos da aposentadoria.

Isso significa que, aqueles que não se prepararem para a possibilidade de viver muito terão dificuldades no futuro. 

  • Não vão conseguir parar de trabalhar nunca. 
  • Vão depender de ajuda de parentes para viver.
  • Terão a qualidade de vida radicalmente diminuída.
  • Ou, vai saber…

Não existe uma fórmula mágica para ter dinheiro no futuro a não ser trabalhando ao longo da vida e guardando uma parte da renda. Você também não precisa se transformar em um investidor profissional para aplicar seu dinheiro. Mas é importante ter conhecimento e estudar um pouco para poder fazer escolhas financeiras mais conscientes e ter senso crítico para filtrar as informações disponíveis.

Risco 2) Viver pouco e deixar alguém sem dinheiro

Nenhuma pessoa em sã consciência deseja viver pouco. Mas, infelizmente, é um risco que faz parte da vida de todos nós. Recentemente uma influencer americana grávida do quinto filho, levando uma vida super saudável, teve uma morte súbita aos 36 anos. É triste mas faz parte da vida. É impossível saber até quando vamos viver. E isso pode ser um enorme problema se você tem pessoas que dependem da sua renda para viver.

Quando se tem filhos ou pessoas que dependem financeiramente de você, ou quando se tem patrimônio e herdeiros legais (descendentes, ascendentes e colaterais, é importante você pensar no impacto que pode ser para essas pessoas se a sua vida for interrompida de forma prematura. Eles terão condições financeiras de se reestruturar? 

Se você for o/a principal provedor(a) financeiro(a) da sua família, como eles ficariam financeiramente na sua ausência? Como seus filhos, por exemplo, terão dinheiro para concluírem os estudos até poderem caminhar com as próprias pernas?

Além disso, para realizar um inventário e a sucessão do seu patrimônio, seus herdeiros precisam ter dinheiro disponível para arcar com esses custos, que giram em torno de 20% do valor total do patrimônio. 

Como proteger quem depende de você?

O seguro de vida é um instrumento financeiro importante para proteger quem depende da sua renda para viver. O principal objetivo dele é dar dinheiro para que essas pessoas reestruturem a vida na sua ausência. Então você permite que seus filhos tenham dinheiro para terminar os estudos,  por exemplo. Ou dá liquidez para que sua família tenha dinheiro para pagar o processo de inventário

Mas saiba que a sua vida não é um combo igual ao de qualquer outra pessoa. Falamos sobre isso no vídeo lá no nosso canal no YouTube. Sua necessidade de proteção depende do seu contexto financeiro e familiar. Por isso, o seguro de vida precisa ser adequado às suas necessidades e às possibilidades do seu bolso. Logo, é importante pesquisar as soluções existentes em todas as seguradoras. Porque as regras de contratação, as caraterísticas da proteção e, consequentemente, o preço delas variam bastante.

Risco 3) Ficar sem dinheiro

Ficar sem dinheiro enquanto constrói seu patrimônio também é algo que faz parte da vida. Ninguém está livre de ter um imprevisto, uma emergência, ficar doente ou ter algum acidente e ficar sem dinheiro. Você realmente acredita que consegue prever 100% do que vai acontecer ao longo da sua vida inteira? Concorda que é impossível?

É por isso que proteger sua renda no presente de forma adequada é um dos principais pilares de um planejamento financeiro mais seguro. Simplesmente porque a incerteza é uma das maiores certezas da vida. Os imprevistos acontecem o tempo todo e isso pode causar algum impacto financeiro na sua vida e na da sua família.

Como ter uma reserva de emergência mais segura de verdade?

Para isso é fundamental ter uma reserva financeira mais segura, com dinheiro suficiente para as emergências que podem acontecer ao longo da vida. Aqui fica um alerta que as pessoas negligenciam com certa frequência. Formar uma reserva leva tempo. Enquanto não tiver dinheiro suficiente, você precisa de soluções de seguros que protegem o seu fluxo financeiro em casos de algum acidente ou doença.

Por exemplo, se você tem o diagnóstico de uma doença grave, teria dinheiro para arcar com os custos extras de um tratamento? Mesmo que tenha um plano de saúde, em uma situação dessas ninguém quer pensar em dinheiro. Nosso foco é recuperar a saúde.

E se você é um profissional liberal, por exemplo. Um médico, advogado, fisioterapeuta, dentista, psicólogo, consultor etc. Nestes casos, se tem algum problema de saúde, seja um acidente ou alguma doença, que te impede de trabalhar fica sem renda. Mesmo que por um tempo. Também existem proteções em várias seguradoras para isso.

E nos casos mais graves? Sofrer um acidente ou uma doença pode te deixar inválido de forma permanente. Essa é uma situação complicada que, apesar de não querermos pensar nisso, é um risco que não podemos ignorar. Em uma situação como essa, deixamos de gerar renda e passamos a ter despesas extras para adaptar a forma de viver. O impacto financeiro é em nós mesmos.

Dicas para se proteger financeiramente para esses riscos 

Não adianta apenas investir dinheiro para ter uma vida melhor no futuro se seu planejamento financeiro estiver vulnerável aos riscos que falamos. Precisamos ter consciência de que esses riscos existem para TODOS. Mas a necessidade de proteção varia de pessoa para pessoa. Pode parecer complicado e caro mas não é! 

As proteções financeiras precisam ser adequadas às suas necessidades e possibilidades financeiras. Se estiver caro, provavelmente não está adequada. As pessoas têm como referência o preço dos seguros de automóveis e acham que o seguro de vida é caro. Por isso as dicas são: 

  1. Pesquise. Existem várias soluções de seguros para pessoas em diversas seguradoras no país. E são muitas variáveis que interferem no preço da proteção. Eles variam muito.
  2. Converse com um consultor de proteção financeira pessoal e familiar que veja as soluções adequadas às suas necessidades em todas as seguradoras. Nós aqui sempre analisamos as 11 principais do mercado para chegar a uma sugestão para nossos clientes na consultoria de Planejamento Financeiro Mais Seguro.

Faz sentido para você? Seu planejamento contempla esses riscos ou está à mercê da sorte? Tem dúvidas sobre o assunto? Comenta aqui no texto ou nas caixinhas de perguntas dos stories que respondemos todas!


%d blogueiros gostam disto: