(21) 96464-8597 laado@laado.com.br

O que é melhor? Aposentadoria ou previdência privada? Essa é uma dúvida frequente mas, apesar de muitas semelhanças, são coisas diferentes misturadas no mesmo saco. Por isso é importante entender bem.

O INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social) é hoje a previdência social brasileira e responsável pelo pagamento das aposentadorias das pessoas. Infelizmente é público e notório que a previdência pública enfrenta sérias dificuldades e, em longo prazo, haverá mais pessoas recebendo benefícios do que contribuindo.

Como resultado, aqueles que ainda faltam 20, 30 anos, poderão não ter mais direito aos benefícios do INSS quando chegarem sua vez de receberem. Porém, nos dias atuais, ele ainda cobre outras questões, como licenças, afastamentos, entre outros.

Em contrapartida, a previdência privada surge como uma opção interessante de investimento para quem quer fazer um planejamento de longo prazo, para quando chegar o momento de parar ou diminuir o ritmo de trabalho.

Diante dessa confusão sobre aposentadoria e previdência privada, preparamos o artigo abaixo com informações que podem esclarecer esses conceitos.

A aposentadoria pública

A aposentadoria é o nome popular dado aos valores que as pessoas recebem do INSS quando se aposentam e param de trabalhar. Nesse modelo, as pessoas que estão em idade ativa de trabalho contribuem para o sistema pagar os benefícios para quem está na fase de usufruir deles.

Naturalmente, com o envelhecimento da população dentre outras características do modelo, essa conta não fecha e a tendência é piorar. Com o passar do tempo haverá menos pessoas contribuindo e mais pessoas recebendo. Isso é motivo de alerta para todos nós.

Importante lembrar que a partir da reforma da previdência em 2019, algumas regras da aposentadoria mudaram. 

Principais mudanças da reforma da previdência

Uma das principais mudanças da reforma da previdência é a redução da idade mínima para dar entrada na aposentadoria. Agora é de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres. E não é mais possível se aposentar por tempo de contribuição.

Além disso, é necessário um tempo de contribuição de 15 anos para mulheres e 20 anos para homens, mais idade mínima que mencionamos acima.

Ou seja, por mais que você já esteja contribuindo por 35 anos (no caso de homens) e ainda não tenha completado 65 anos, você não poderá se aposentar. 

Isso mudou completamente algo que víamos acontecer há algum tempo, onde pessoas com 50 anos, e às vezes até menos, já conseguiam se aposentar pelo INSS.

Aliás, essa alteração já foi feita justamente pensando na sustentabilidade do sistema, evitando que pessoas ainda consideradas jovens no mercado de trabalho se tornassem beneficiárias. Agora, elas seguirão contribuindo até atingirem de fato a idade para a aposentadoria.

Leia também::: Quanto investir por mês? Nós ensinamos a calcular

Benefícios extras da previdência social

A Previdência Social tem outras funções além da aposentadoria. Para aqueles que contribuem para ela têm direito a alguns benefícios extras. Independente da contribuição ser por desconto em folha de pagamento, no caso de trabalhadores da CLT (carteira assinada); ou por meio do pagamento direto, no caso de outros profissionais autônomos.

Um deles é o auxílio-doença, que o trabalhador recebe caso precise se afastar por mais de 15 dias do trabalho por alguma doença ou incapacidade física. Outro benefício pago pelo INSS é o salário-maternidade, pago às mulheres por até seis meses, que se afastam do trabalho quando se tornam mães. 

Há ainda a pensão por morte, paga ao cônjuge ou companheiro, ou dependentes financeiros da pessoa que contribuía ao INSS quando ainda viva. Claro que cada benefício tem suas regras para poder ser acessada, e os valores também variam por diversos fatores.

O conceito de aposentadoria financeira

O conceito de aposentadoria hoje mudou. Vai além do INSS. Primeiro porque, como falamos antes, não sabemos como estará o sistema previdenciário daqui a alguns anos. E não é bom pagar para ver e depender só dele. 

Segundo porque todas as pessoas que possuem uma renda maior do que a renda paga pelo INSS precisará ter uma renda complementar no futuro. E isso começa a ser construído agora.Não adianta deixar para a véspera.

Diante desse contexto, hoje, existe um novo conceito de aposentadoria financeira. Que é, portanto, o momento da vida em que paramos de depender da renda do trabalho para viver. Mas vamos continuar dependendo do dinheiro para ter acesso a bens, serviços e qualidade de vida. Por isso, precisamos complementar essa renda.

Podemos dizer que sua renda do futuro será como um “Lego”, ou seja, um conjunto de rendas de origens diferentes que se somam. Uma dessas peças será o INSS. E o restante virá dos investimentos que fizermos ao longo de toda a nossa vida.

Junto com esse benefício de viver cada vez mais, teremos o ônus de precisar acumular mais recursos para construir e sustentar nossa qualidade de vida no futuro. E para isso precisamos começar a investir bem nosso dinheiro desde já.  

A previdência privada

Dentre os produtos de investimentos que existem, um deles é a previdência privada. Que é muito interessante para acumular e rentabilizar seu dinheiro para a aposentadoria financeira no futuro. Porque ela tem uma série de benefícios exclusivos para estimular o investimento de longo prazo, ou seja, por mais de 10 anos. 

Como investimento, a previdência privada é interessante para quem quer investir com tranquilidade para o futuro sem precisar fazer tudo por conta própria. Como todos os investimentos, nela o dinheiro é só seu. Você investe ao longo do tempo para seu próprio benefício no futuro.

Além disso, você define quanto quer investir por mês e quando pretende parar de investir e passar a utilizar o dinheiro, seja em forma de resgate ou de renda. Não existe mágica aqui. O tamanho da renda que você terá no futuro vai depender do quanto investiu, do tempo que investiu e da rentabilidade que o fundo que você escolheu teve ao longo do tempo. 

Vantagens da previdência privada

A previdência privada oferece algumas vantagens exclusivas em relação a outras modalidades de investimentos. Uma delas é a alíquota de imposto de renda menor, quando o dinheiro fica investido por mais de 10 anos. Enquanto nos demais investimentos a menor alíquota é de 15%, na previdência privada a menor é 10%.

Além disso, outro benefício interessante é a possibilidade de portabilidade do seu dinheiro para qualquer outro fundo de previdência em qualquer instituição financeira do país. Diferente dos outros investimentos, que você precisa resgatar o dinheiro e reaplicar em outro lugar, na previdência funciona diferente.

Por exemplo, se você quiser levar o seu dinheiro para outro fundo de previdência, você pode fazer portabilidade. Igual a da linha de telefone celular. Isso não tem custos nem taxas. Basta respeitar uma carência de 60 dias entre uma movimentação e outra.

Isso te permite mudar ao longo do tempo o seu perfil de investimento conforme seu momento de vida, o cenário financeiro e sua tolerância ao risco. Podendo rebalancear entre fundos mais conservadores ou mais arrojados sempre que quiser.

Por último, você também pode definir quem vai receber o saldo do seu investimento caso alguma coisa aconteça com você. Sem que entre no processo de inventário. Por isso a previdência privada também pode ser um instrumento interessante para a sucessão do seu patrimônio.  

Como escolher uma previdência privada

Escolher uma boa previdência privada não é uma das tarefas mais difíceis para quem está começando. Até porque, como falamos, você sempre pode mudar ao longo do caminho. O importante é escolher fundos adequados ao seu perfil de risco.

Atualmente há diversas seguradoras, corretoras de investimentos e bancos que oferecem planos de previdência privada. Fique atento às opções com melhores taxas de administração e que tenham uma boa rentabilidade. Geralmente, fuja dos grandes bancos de varejo. Os planos de previdência que eles oferecem costumam ter taxas elevadas, que acabam consumindo boa parte da rentabilidade do seu dinheiro.

A forma que você declara seu imposto de renda vai influenciar na escolha do plano de previdência privada. Existem dois modelos:

PGBL

O PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) é indicado para quem declara o IR pelo modo completo. Ele permite a dedução dos valores investidos na base de cálculo do imposto de renda, dentro de um limite de até 12% da renda bruta tributável. Dessa forma, na declaração anual de imposto de renda seu cálculo será feito sobre uma renda menor. 

No entanto, no ato do resgate da previdência privada, o IR incidirá sobre a totalidade do capital aplicado ao longo dos anos. Além disso, é importante destacar que, para utilizar esse benefício fiscal, você precisa contribuir com o INSS também.

VGBL

O VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) é indicado para quem é isento de IR ou que declara pelo modo simplificado. Por isso, não conta com a vantagem da dedução dos valores investidos na declaração anual. 

Porém, no momento do resgate da previdência, o IR incidirá apenas sobre o rendimento gerado durante o período de acumulação.

Leia também::: Como organizar as finanças? Siga esse passo a passo

E então, qual é melhor?

Como apresentamos ao longo do texto, são coisas diferentes e complementares. Para que um dia você possa parar de trabalhar e continuar com o seu padrão de vida será preciso investir ao longo da vida para complementar a renda que terá do INSS lá na frente.

Ou seja, também é importante lembrar que o INSS dá acesso a outros benefícios além da renda na aposentadoria, como o auxílio-doença, salário maternidade, aposentadoria por invalidez e a pensão por morte. Coisas que a previdência privada e os outros investimentos não proporcionam.

Por isso, vale destacar a importância de ter seguros adequados para proteger sua renda durante esta fase de investimentos. Já que você ainda não possui reserva suficiente para viver dos rendimentos das suas aplicações financeiras. Neste caso, o seguro é seu plano B caso alguma coisa aconteça ao longo do caminho. 

Não perca mais tempo!

Como fica claro, viver mais com qualidade lá na frente vai depender do que você faz hoje e ao longo de todo esse caminho. Quanto antes você começar a investir, melhor para você. 

Portanto, essa é uma decisão que precisa ser tomada agora mesmo se você quiser usufruir de uma vida com tranquilidade e segurança no futuro. Mas, quanto antes você iniciar seus investimentos,  mais conseguirá acumular e rentabilizar.

Dessa forma, esperamos que suas dúvidas sobre aposentadoria financeira e previdência privada tenham sido tiradas e, caso precise de orientação para te conduzir na construção do seu planejamento financeiro, conheça nossa consultoria

E caso queira saber mais sobre previdência privada, confira também nossa playlist nosso canal do Youtube, onde ensinamos um passo a passo de como iniciá-la do jeito certo. É só dar o play abaixo!


%d blogueiros gostam disto: